Monte das palavras relacionadas

Queremos sempre ser
a excepção
e não parece mal
sentir as lágrimas, insistentes,
na máscara dos olhos:
está quase no fim
o ano internacional dos voluntários.
Só agora se corre às ruínas, por força
dos mortos - espelhos que já brilharam
em sítios de escombros.
Estamos, ainda, desprevenidos
de ser, em tudo, espelhos,
tristes vidros, desesperados
como se fôssemos nós
os amigos que partiram,
foram sentar-se
ao lado dos deuses
em que acreditaram.
Queremos sempre falar disso:
do medo instável da nossa força;
da decisão errada:
não é que se pense
em colapsos - colapsos são coisas
de jornal, da televisão ao fim da tarde;
da arrogância de sermos tão frágeis
e acertarmos sempre, mesmo se falamos
do futuro, do que ainda não quis acontecer.
Bem nos avisaram do uso das palavras!
Também!!!
Todos julgaram que pensar não dá
trabalho nenhum!
Que é só pensar e pronto!


Manuel Fernando Gonçalves
Coração Independente
Assírio & Alvim

1 comentário:

bruno sousa villar disse...

Não é. Pensar requer esforço e investimento de quem quer pensar.
Saúdo-te neste teu regresso a uma casa que tão bem conheces, cara Mar.
*