o poema em que te busco é a minha rede

O poema em que te busco é a minha rede,
Bem mais de borboletas que de peixes,
E é o copo em que te bebo: morro à sede
Mas ainda és margarida e não-me-deixes
E muito mais, no enumerar das coisas:
Cordão de laço e corda de violino,
Saliva de verdade nalgum beijo,
E poisas
Como ave de aço em pão se não te vejo.
Mas onde mais real do céu me avisas
É nas tuas camisas,
Calças de cor no catre bem dobradas.
E és os meus pensamentos, se te ausentas,
Meu ciúme escuro como vinho em toalha;
E o branco circular das horas lentas
Que um perfurante amor lembrado espalha.
Põe o penso no velo intercrural
Com um atilho vertical:
Rosa coberta esquiva
Quer a mão do desejo, quer
O conhecido cravo da agressão
Que estendo às tuas formas de mulher,
Com esta soma e verbal precaução
De um fónico doutor de Mompilher.

vitorino nemésio
Caderno de Caligraphia e outros Poemas a Marga

3 comentários:

bruno sousa villar disse...

Fabuloso de enleante mestria metafórica.
Gostei muito.

luís nunes disse...

se me perguntassem jamais diria que tu gostarias deste poema. surpreendido :)

José S. disse...

Aha, mas gosto. Gosto de jogos de palavras, de quem consegue explorar a língua.