A casa devastada

Em pedaços o vaso rupestre jaz,
Seus elos de dança desfeitos,
E, junto a ele, sarças definham,
Abafada fonte do sol!
A aranha no loureiro a teia tece,
A erva daninha exila a flor:
E, qual estufa, o busto de Apolo
Gera cal para a torre de Mamona.



Herman Melville
Poemas
Assírio & Alvim, 2009
Tradução de Mário Avelar

1 comentário:

Luís Filipe Nunes disse...

Que má tradução. Terrível mesmo: por exemplo, este hipérbato: «Em pedaços o vaso rupestre jaz».

Fico pasmado por estas coisas acontecerem em editoras como a assírio.
Não é caso único.