A verdade nua

O desespero não tem asas,
O amor também não,
Nada de rosto,
Não falam,
Eu não me mexo,
Não olho para eles,
Não lhes falo
Mas estou tão vivo como este amor
(ou como este desespero).

 
Paul Éluard
Tradução A.M.

1 comentário:

Maria Costa disse...

Mais um belo poema e respectiva tradução.

Este blog prima pela qualidade.
Bem hajam!

Bom ano com muita e boa poesia.