Um homem sentado no seu tempo

Está um homem sentado no seu tempo
cismando na mudança e em tantos
outros lógicos inexoráveis topos.
A pele o reveste com estrema cordura
como se manto, resguardando os vincos
de quebranto esparsos pelo corpo dentro.
Tem a mão combatente espalmada
sobre o rosto recoberto de incertezas ―
ou é uma pragmática, anfíbia barbatana
tacteando o interior, seu elemento?

Eis uma máquina de produzir sistemas,
que belo organismo em movimento.
Um engenho que, incessantemente,
como um fio de baba vai debitando angústia.
Ah, mas já a porção se completou,
já ele toma a tesoura dos seus dedos
e recolhe uma ideia arredondada
e a acondiciona entre outras mil,
todas densas, agudas, de morrer.
O corpo do homem ― exígua embalagem.

Mas a máquina não pára, o fio finamente
tecido das mais ínvias confissões
já forma outra ideia, de configuração
idêntica às restantes, e tão diversa,
tão matematicamente original.
Está um homem sentado no seu tempo,
recebe do século as mais embravecidas
aflições ― e prossegue segregando,
tão perfeita engrenagem de sofrer,
sua atlética fronte tão suada.



A.M. Pires Cabral
Antes que o rio seque
Assírio & Alvim

1 comentário:

bruno sousa villar disse...

Já tinha dado por este algures
na blogosfera.

Diverso do material no < As Têmporas da Cinza. = 9