A mal casada

Dizes-me que Juan Luis não te compreende,
que só pensa nos seus computadores
e que não faz caso de ti de noite.
Dizes-me que os teus filhos não te ajudam,
que só te dão problemas, que se aborrecem
com tudo e que estás farta de aturá-los.
Dizes-me que os teus pais estão velhos
que se tornaram tacanhos e egoístas
e que já não és a sua menina como dantes.
Dizes-me que já fizeste trinta e cinco
e que não é fácil começar de novo,
que os únicos homens que conheces
são os colegas de Juan na IBM
e não gostas de executivos.
E eu, o que é que eu faço nesta história?
Que queres que eu faça? Que mate alguém?
Que dê um golpe de estado libertário?
Amei-te como um louco. Não o nego
mas isso foi há muito, quando o mundo
era uma reluzente madrugada
que não quiseste compartilhar comigo.
A nostalgia é um passatempo grosseiro.
Volta a ser a que foste. Vai ao ginásio,
Pinta-te mais, disfarça as tuas rugas
e veste roupa sexy, não sejas tonta,
que talvez Juan Luis te volte a mimar,
e os teus filhos vão para um acampamento
e os teus pais morram.



Luis Alberto De Cuenca
El Outro Sueno
Editorial Renacimiento, 1987

3 comentários:

Albino M. disse...

Não é um comentário, apenas um abc.
E um linque, para uma tradução alternativa deste mesmo poema:

http://ruadaspretas.blogspot.com/2009/03/luis-alberto-de-cuenca-mal-casada.html

Ali podem encontrar-se mais poemas (e linques) de L.A.C.

luís filipe nunes disse...

sim já vi ALbino. esse poemas eoutros traduzidos por si. está interessado em colaborar connosco?

Albino M. disse...

Só agora vi o seu comentário (precedente)...
A resposta é'sim'.
Explique-se,p.f.,por c.e.: albinomatos@gmail.com.
Abc.